makemake@makemake.com.br

Praia de Botafogo, 316, sala 206

Botafogo - Rio de Janeiro/RJ

Cep 22250-040

O QUE O SILÊNCIO ORGANIZACIONAL TEM A NOS DIZER

July 4, 2014

“O silêncio organizacional é um dos maiores riscos para a reputação de uma empresa. Uma empresa calada, muitas vezes, é uma empresa apática. Uma organização onde as pessoas não se importam com o que fazem ou que acham que não vale a pena manifestar as suas opiniões, sugestões, inquietações e reclamações porque simplesmente não serão ouvidas. “Se não vale a pena falar, melhor ficar calado” é a maior razão para o silêncio, e não o medo de ser punido caso fale algo indesejado, segundo diversos estudos internacionais.

 

E pior: o silêncio atinge a todos, independente de gênero ou cargo. Uma pesquisa publicada pela Harvard Business Review Brasil, de junho de 2010, não descobriu diferenças estatísticas entre trabalhadores de sexo, grau de instrução ou nível de renda no que tange à probabilidade de calar por medo ou por achar que falar não servirá de nada. Quase a metade dos 439 entrevistados diz o que pensa em certas ocasiões, mas também guarda para si a própria opinião quando acha que não tem nada a ganhar – ou tem algo a perder – por dizer o que realmente sente. Um quarto deles nunca abre o jogo sobre problemas rotineiros e oportunidades de aprimoramento porque seria perda de tempo. E apenas 20% não abre o jogo por medo das consequências.

A bibliografia aponta que o silêncio organizacional acontece quando os gestores não aceitam ou não reagem bem a feedbacks negativos, quando os gestores acham que sabem de tudo e quando a tomada de decisões é muito centralizada. O silêncio organizacional pode impactar na tomada de decisões, na mudança de processos, no alinhamento estratégico e, no final da cadeia, no que a empresa oferece à sociedade.

 

Sendo assim, o silêncio tem muito a nos falar. Quem cala nem sempre consente. O silêncio é a ponta do iceberg para vários problemas que podem destruir a reputação de uma empresa da noite para o dia. Um monstro que não deve ser alimentado.

 

Não pague para ver o monstro devorar a empresa em que você trabalha. Desarme-se de preconceitos e abra-se ao diálogo com todos os seus públicos, principalmente com o seu público interno. Ninguém conhece melhor a empresa, seus defeitos e virtudes, do que quem lida com ela todos os dias.”

 

 

Artigo publicado com algumas alterações pelo site da Aberje em 01/07/2014 e pelo LinkedIn em 30/07/2014.

Tags:

Please reload

Destaque

Tatiana Maia Lins em lista de líderes sustentáveis

19/08/2019

1/7
Please reload

Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Tags
Please reload